Para alegrar a noite


As cartografias da distanciância, que na sua procuratividade de devorarem profundamente os tempos que lhes são permitidos, canalizam o regresso de que querer e de que gostar? E quando as suas composições mastigam afetos, de assimilarem cada pequeneza dos corpos e cada manifestação de olhares e toques, os interiores partem para o caos-cais, como recompô-los? E na loucura desse cais-caos, de querer-te amargo, os sulcos águam em estadias de vento? 

Trago nesta noite uma poesia que no seu querer-ponto,
é movida pelo querer-vírgulas, de chover movimentos cíclicos.

Pâmela Cervelin Grassi, 

Comentários

  1. talvez seja preciso uma síntese das manhãs, como poente que nos impõe num cotidiano, aquele verbo, aquele desejo de se dispersar feito semente, em qualquer e em meio a mil e umas constelações, mesmo sem florir, sem sorrir.... mesmo que se sinta e seja o possível, da nossa pele pra dentro, e só.

    Meu abraço,
    Sam.

    ResponderExcluir
  2. Amigos, o meu blog "A Pequena Notável .poesia do cotidiano." foi alterado para o endereço abaixo:

    http://samarabassi.blogspot.com/

    Peço que atualizem e agradeço.
    Meu abraço,
    Sam

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas