ainda sem título


entre a janela e a estrada,
o lápis se fez presença com uma nudez desejável
a palavra comeu meu silêncio
fui escrita

pâmela grassi,
de perspectivas sonoras, visuais e caleidoscópicas abertas à Symphonia da Metrópole Paulista. amanhã, a cidade do jam calhambeque e da aglomerada solidão (São, São Paulo) se configurará diante dos meus olhos. acima, uma imagem de 1920 da Rua 15 de Novembro, no Centro Velho.

Comentários

  1. da vontade de deitar em tudo aqui.
    macio feito algodão.

    ResponderExcluir
  2. Puro encantamento, querida Pâmela!
    As palvras levitam...
    Lindo demais!
    Abraço e beijinhos, amiga!

    ResponderExcluir
  3. No quarto-mundo-mudo, muda tudo
    Silêncio que esquarteja, eu não me iludo,
    Cioso a bem querer que a muda nasça
    Mudança que não seja só fumaça

    ;)

    ResponderExcluir
  4. 'fui escrita'

    Um achado este verso!

    ResponderExcluir
  5. Pam,
    terminou magistralmente o poema!
    beijo no <3

    ResponderExcluir
  6. Ah, e descrita sua jornada, fiquei muda.

    Linda! Lindo, tudo!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Eu nem sei o que dizer... fui escrito!
    Lindo, Pâmela, lindo...

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  9. Então lá foi ela.... pra grande metrópole da boca cheia de dentes....

    ResponderExcluir
  10. Que encanto flor.

    Sempre alinhavando cores no meu coração.

    Grande beijo.

    ResponderExcluir
  11. Ai,menina!

    Vc sempre tão suave! *~*

    Que saudade daqui!

    ResponderExcluir
  12. que delicia te ler. que o mundo te escreva muito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas