Des(construção) da noite

Adormecer (em) alguém. Prazer. Mãos, essências para construírem o ritmo e o balanceado: afagam, apertam, tocam, partem para reunir-se nos braços e lábios alheios e neles se perderem. Escorrem sobre os corpos: mapas de cantos.

Adormecer (em) alguém. Persistência. Lutar contra o próprio sono enquanto mãos querem rodopiar e corpos provarem carinhos de sons e meios inesperados.

Adormecer (em) alguém. Embriagar. Abraçados de canto esquerdo e direito.

Adormecer (em) alguém. Corpos. Longe possível para o conforto. Suficientemente próximos para se sentirem ao longo da madrugada.


Pâmela Grassi,

tecidas em 2008,
nas minas gerais

Comentários

  1. oi gostaria muito que conhecesse o blog sobre síndrome do pânico e a falta de um manual para esse tortuoso caminho. Agradeço desde já.

    ResponderExcluir
  2. Marco Antônio Colognese20 de abril de 2010 18:46

    Quanta sensualidade em poucas linhas... =D

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas