A sedução das palavras percorridos nos corpos faz uso de linguagem poética.

Linguagem carregada de vento.
Linguagem reinventada de possíveis.
Linguagem de possíveis rein(ventos).

- In(corpo)rei a poesia nos meus sopros e percorri o caminho do vento,

Pâmela Grassi,

Comentários

  1. ah, o caminho do vento...amo o vento...ele leva e ele traz, ele nos tira do chão...

    assim como o poesia dos teus sopros, pâmela!

    beijão pra ti

    ResponderExcluir
  2. alinhavo de cores
    alinhavo de palavras
    e tudo vai se juntando em poesia.

    perfeito.

    ResponderExcluir
  3. ... E uma vez incorporada na poesia, não há forma mais bela de se viver.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. um lugar revestido de ar[eia]te a costur[m]ar

    ResponderExcluir
  6. A sedução é mesmo um adorno... ví[cio]s de linguagem. Ventos brandos de todo tipo enlevam a tua poesia, venda[vai]s à contemplam...
    a chuva...chove
    o sol...insola
    o vento...INventa
    a poesia sopra pó\sem/ética
    A/moral
    DESconstrução de tudo!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. (ops, o email tava errado...rs)

    Pâmela, o que é a Zine da Gaveta?? :)

    meu email: andrea_neto@hotmail.com

    beijoca

    ResponderExcluir
  9. "In(corpo)rei a poesia nos meus sopros"


    que encanto.
    senti as palavras soprando aqui.


    gosto da harmonia e suavidade dos seus versos.




    e a cidade, ainda fria?


    beijos moça :)

    ResponderExcluir
  10. adorei , Pâmela.
    muito bonito.
    avoou com o vento.
    beijo assoprado daqui do outro lado do Atlântico.

    ResponderExcluir
  11. Pâmela,


    A mesa rodou e outras faces aglomeraram-se na elipse do gesto incontínuo - transporto-me até ti o agradecimento.

    deixo-te com o instante mágico de Rilke:
    Os nossos sonhos são hermes de mármore
    que pomos nos nossos templos
    e iluminamos com as nossas grinaldas
    e aquecemos com os nossos desejos.

    Nossas palavras são bustos feitos de ouro
    que levamos connosco para os dias, -
    os deuses vivos elevam-se
    na frescura de outras praias.

    Estamos sempre extenuados,
    quer fortes, quer em repouso,
    mas temos sempre sombras radiosas
    que fazem os gestos eternos.


    Atentivamente,
    Tristan.

    ResponderExcluir
  12. Vento que leva coisas ruins
    e nos traz coisas boas

    Vento que gela nossos lábios
    esfria o corpo
    mas nunca tira o quente de nossos corações...

    Ventos, hora traz vida noutra morte

    Vendo sendo usados nas palavras
    pra quem sabe um possivel reivento

    bonitas palvras, bonito blog

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas