antropofagia diária

provar dos ruídos das horas de mãos dadas com a surpresa
assimilar as pinturas cotidianas com gosto de espanto,

pâmela grassi,
inspirada na Débora, toda luz e toda cor

Comentários

  1. É bonito como a gente escreve diferente sobre as mesmas coisas e mesmo assim se entende. E esse cantinho aqui é meu jeito de ver o mundo pelas suas pupilas.

    Beijo e beijo.

    ResponderExcluir
  2. e seguir sempre assim encantado... lindo lindo,

    beijos
    G

    ResponderExcluir
  3. quero muito isso!
    surpresas e novidades toda dia em todo canto.

    um xêro.

    ResponderExcluir
  4. eu também colecionava, hoje nem tomo mais leite :/auhsau
    Beeeijo Menina das Cores!

    *-*

    ResponderExcluir
  5. Muito boa essa força de suas palavras.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. delícia, Pâmela! há doçura imensa em vocês duas, cada qual com sua receita

    beijão

    ResponderExcluir
  7. a teoria de antropofagia, Pâmela!

    ResponderExcluir
  8. assim como um acorde dissonante que o ouvido não entende, e revela um espanto, as vezes gostoso..

    Gosto da cor dos seus alinhavos..

    Beijo Pâmela!

    ResponderExcluir
  9. estamos mal ou ficamos mal quando perdemos a capacidade de nos espantarmos...
    Gostei, muito, Pâm.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Pâmela,
    Andar de mãos dadas com a surpresa não é algo fácil, mas viver é mesmo exatamente isto, ainda que tentemos nos desvencilhar da tal mão que segura a nossa.
    Beijo grande,

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas