Já é noite

.
Tanta linha que se tece em meio à concha negra celeste. Tanta linha que se alinhava com as estrelas do céu cortando retalhos de luz. Tanta linha que se move na extensão de um corpo-cancional. Tanta linha que se dobra e desdobra nas horas posteriores ao sono {sonhos}

Tanta ausência-presença que se cheira
.

Pâmela Grassi,

Comentários

  1. Seus escritos são de uma delicadeza, moça...

    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. Ei Pam!

    Sei que você e acredito que boa parte dos leitores entenderam a crítica que significa colocar o logotipo do governo federal, logo embaixo daquele texto. Infelizmente nós sabemos que não vai ser um post que vai desconstruir o senso comum né? Reforçar, eu acredito que ele não reforça...

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. lindo, menina. simples e delicado.
    bjo.

    ResponderExcluir
  4. Ei Pâmela!
    Obrigado por mais essa beleza...
    delicada e firme no propósito!

    ResponderExcluir
  5. Gosto da tua escrita delicada e por isso também gostei deste texto.
    beijo

    ResponderExcluir
  6. Pâmela,
    Quantos simbolismos e metáforas! Traçar linhas ao observar as estrelas é coisa deliciosa, que me fez lembrar o deitar-me no chão em lugar sem luz da cidade (coisa rara) e ficar observando as estrelas, ligando os pontos e encontrando as constelações (em especial a "minha", de escorpião), assim como o centro da Via Láctea. Há menos de um ano fiz ótimas fotos celestes nestas circunstâncias de luz (nenhuma luz, pra ser mais específico) e longa exposição. O resultado ficou estonteante, pelo menos para mim!
    Foi assim, tecendo linhas entre as luzes do firmamento escuro que surgiram (se criaram) as constelações, foi assim que se descobriu que a Terra é que girava em torno do Sol, que os planetas eram diferentes das estrelas, suas órbitas e até mesmo a influência das marés.
    A sua maré de escrita está em alta neste alinhavar de linhas, pensamentos e metáforas. E até no final, na frase "Tanta ausência-presença que se cheira", você também usa o céu, que é cheio de vazios e cheio de desconhecimentos e buscas e interrogações. Haja novelo. Belas cores.
    Beijo grande, moça dos alinhavos coloridos.

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Amanheço amanhã isso
    A manha disso foi ontem

    ;)

    Genial, Niña

    ResponderExcluir
  8. ai!
    amei muito!
    já tá lá!

    obrigada por com versar comigo.
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Lindo. lindo, adorei!

    te beijo, te sonho.

    ResponderExcluir
  10. é, estamos na mesma Pame
    sem namorado e sem jogo!
    ^^
    'tanta linha que se alinhava com as estrelas do céu'
    boa semana! beijos

    ResponderExcluir
  11. Presença sempre ao lado da cama

    noite e lembranças
    doces sonhos


    ;*

    ResponderExcluir
  12. Pâmela
    Que tratamento lindo você dá à noite que, agradecida, responde com este lindo poema!
    Grande abraço

    ResponderExcluir
  13. "Tanta ausência-presença":
    verdade.

    Beijo,
    doce de lira

    ResponderExcluir
  14. ausências, presenças...


    sinto como se estivesse lendo meus dias.

    um beijo menina linda.
    uma semana de paz e poesia.

    ResponderExcluir
  15. 'Tanta ausência-presença que se cheira'

    Quanta ausência presente.
    Descreveste exatamente alguns sentimentos meus.

    beijos, e adorei.

    ResponderExcluir
  16. E esse cheiro é toda lembrança que nos sangra com o tempo. Mas que mantém-nos vivos.

    Escreves em mim. É incrível como me vejo no que escreves.

    Beijo carinhoso, flor.

    ResponderExcluir
  17. Ah, que bela definição de sonho!

    Um beijo carinhoso ;)

    ResponderExcluir
  18. coisa mais linda esse tecer da noite nos teus versos...

    beijo grande

    ResponderExcluir
  19. Tessituras sinestésicas que me dão sonHo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas