sobre a voz

tua voz faz uso de vinho tinto nas minhas canções
embebida cada fragmento deste corpo-cancional
e antecipa o sabor dos delírios


pâmela grassi,

Comentários

  1. Voz hipnótica, poema sensitivo... demais!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Pamela :) tudo bem?
    Ai, esses teus poemas são tão lindos!

    ResponderExcluir
  3. Ah! Esses delírios regados à canções!
    Ah! Essa voz do amor que é ela própria, a canção.

    Sempre bela, Pâmela, um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Voce escreve intensamente bem! :)

    ResponderExcluir
  5. Oi, Pâmela.
    O vinho é mítico. A voz dá o tom tinto. Poema visual e, como já bem disse a Lara, sensitivo.
    Estou conhecendo o espaço agora, já leio e estou seguindo.
    Obrigado pela visita lá no meu Empirismo e pelo comentário. Volte sempre, siga também, comente mais. Seja bem vinda por lá e fico por cá lendo mais.
    Beijo

    Ivan Bueno
    blog: Empirismo Vernacular
    www.eng-ivanbueno.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. sobre a voz, as vezes ela é até silêncio.
    lindo poema.


    ô pâmela, suas palavras lá fizeram brotar sorriso aqui. obrigada, mesmo.

    um beijo, e abraço. :D

    ResponderExcluir
  7. Muito bonito, Pâmela!
    Sensibilidade á flor da pele...
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Sensual e bem sentido!
    ficou lindo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas